segunda-feira, 22 de outubro de 2012

O filho querido


Um casal está na cozinha preparando o café da manhã. O tempo é curto e o clima está tenso. Maria Clara está preparando ovos e João Vitor arrumando a mesa

- Ele não gosta dos ovos assim. - repreende João
- Como que ele gosta ?
- Mexido e com a gema pouco mole.
- Ai meu Deus - se desespera Maria Clara, joga o ovo já pronto na lixo e quebra outro ovo,

Agora João está indeciso:
- Toddy ou Nescau ?
- Nenhum dos dois, onde está o Ovomaltine ?
- Não sei.
- Como não sabe ? - abrindo as portas dos armários
- Ali, ali em cima - apontando com o dedo em uma prateleira do outro lado da cozinha.
- Não sei fazer isso.
- Tem que bater no liquificador com 200 ml de leite e uma colher de chá de açúcar. Ele gosta assim. - liga o liquificador, bate, bate,desliga o liqüidificador, joga no copo.
- Anda ele já está saindo do quarto - posicionando tudo.

Mesa pronta. Cada um em sua posição tomando seu café. Eduardinho, um garoto de 8 anos adentra a cozinha de uniforme escolar, cabelo brilhante impecavelmente penteado, mochila nas costas, observando tudo na mesa: seu prato com ovos mexidos, 2 fatias de pão tostado e ovomaltine no copo, tudo milimetricamente posicionado.

Os pais tentam não aparentar nenhum nervosismo enquanto digerem o seu cafe da manha em um silêncio constrangedor. Sério, senta no seu lugar da mesa e encara o prato com desprezo.
- Mãe ? 
- Sim meu filho - diz Clara com um sorriso constrangido.
- O pão está com a casca. - a mãe arregala os olhos pra João, tenta falar algo, mas Eduardinho interrompe - É possível que meu pão não tenha casca ? É tão simples retirar a casca de um pão de forma, será que eu mesmo vou ter que pegar a faca… - já gritando - E CORTAR A CASCA DO PÃO  ?

A mãe pega a faca e corta cirurgicamente a casca.
- Pai ?
- Oi filhote, como está o colégio ? - engolindo rapido o pão
- Não muda de assunto.
- Que assunto ?
- Pai, o que a gente conversou ontem ?
- Há tá o lance do cabelo, eu não tive tempo.
- Pai, esse teu cabelo me deixa nervoso, é possível eu não me sentir tão mal quando vc me pega no colégio com esse cabelo ridículo? 
- Edu, ninguém repara em cabelo hoje em…
- Você já se olhou no espelho pai ? Você parece o Gepêto, pai do Pinóquio.
- Não exagera.
- Mãe, eu tenho a cara do pinóquio ? - quase chorando.
- Não meu filho, claro que não.
- Então manda meu pai cortar esse cabelo.
- João, por favor né ? Faz 2 meses que não vai ao barbeiro. - Clara repreende  João.
- Vou hoje Eduardinho, vou hoje. Juro.
- Jura mesmo ? - pergunta Eduardinho.
- Juro.
- Eu te amo pai - sorrindo pra João
- Também filho. - responde 
- Mãe, hoje eu não te amo - agora sério pra Clara - Porque você deixou meu pão com casca.
- Tem razão meu filho, nunca mais vou fazer isso. Nunca.

Saindo do apartamento, aquela correria. Clara e João organizando seus pertences antes de sair pela porta. Eduardinho no meia da sala está  gritando.
- Eu vou chegar atrasado ! Eu vou chegar atrasado ! Todo dia a mesma coisa. Mãe a sua bolsa tá na cozinha. Pai, a chave tá dentro do banheiro. Maldição, porque eu fui nascer nessa família - se dirige até a porta - Estou saindo pela porta, vou a pé pra escola, tomara que eu seja seqüestrado, estuprado e MORTO ! - bate a porta da sala com toda a força.

No carro, os pais continuam aflitos, Eduardinho atrás no assento do meio, não para de falar.
- Se continuar nessa velocidade, a gente vai chegar na escola na época da minha formatura. Porque vcs me odeiam ?
- Eduardinho olha o trânsito, não tem como voar com o carro ?
- Pai, a próxima vez que vc falar assim comigo, vou dar queixa na escola por abuso psicológico.
- Desculpe filho, não tem como andar mais rápido.
- Vou chegar atrasado na escola, vc quer que eu cresça burro e fique igual a você ? Pelo amor de Deus!

O carro estaciona em frente a escola e Eduardinho conclui.
- Pai corta esse cabelo. Mãe troca esse perfume, tem cheiro de urina. Beijos.
- Tchau Eduardinho - dizem juntos sorridente.

O carro segue o percurso. Clara tá cheirando as axilas e João desabafa.
- Não sei mais o que fazer.
- Também não. Esse perfume foi caríssimo.
- Eu queria deixar meu topete crescer. - diz olhando no retrovisor.
- Por favor né ? Vc quer que o Eduardinho tenha um troço ?
- Eu sei. Eu sei.

8 comentários:

Pao_Cum_Ovo disse...

Vish, ngm vai enterrar esse blog nao??? Já ta fedendo...

Joao Diego disse...

excelente texto...
gory deveria estar na academia brasileira de letras.

Anônimo disse...

Eu ainda tô curtindo os textos, tão do caralho. Gory ainda tem a manha de escrever bem, tirando os velhos erros ortográficos que ainda vivem até hoje. Olha no topo do blog, Gory: "a 8 anos produzindo o mesmo lixo". Não é "a", mas "há", de "haver", "existir". No sentido de que existem 8 anos de produção de conteúdo pro blog. Apesar de eu achar que sem esses erros, não era o Abobra.

Gory disse...

Agora não passo de um velho semi-analfabeto. uahuahaha

Anônimo disse...

Gory, e aquele livro do Diário de um Lunático? Acabou nem saindo! E até prometeste cópias grátis pra galera se fizessem uma análise séria do livro.

H-RJ disse...

A VOLTA TRIUNFAL DO ABOBRA

The Velho disse...

"Gory disse...
Agora não passo de um velho semi-analfabeto. uahuahaha
03/11/2012 19:37:00"

Esse cara sou eu, Gory.

PSICODÉLICO disse...

UAUUU... ...Abobra still alive!!!

Postar um comentário

Abobra Diário.